Site MMPB: Música machista popular brasileira

Oi! Hoje queria compartilhar um site que acho ótimo: o MMPB – Música machista popular brasileira. É um projeto para identificar o machisto oculto (às vezes nem tão oculto assim) na música brasileira. Engana-se quem pensa que só vai ter funk. Tem de tudo: sertanejo, bossa nova, rock… Músicas cantadas por homens e também por mulheres.

Eu gosto particularmente do site porque ele é muito didático: além de expor o machismo, explica o problema e coloca links relacionados ao tema. Também tem de tudo: letras que comparam mulheres (tem a mulher pra casar e as outras), letras que exaltam o padrão Amelia da mulher serviçal, letras que sugerem se aproveitar (abusar) de mulheres embriagadas, letras de ciúme e possessividade, letras que assustam (com ameaça mesmo) (aliás, vocês já viram a letra da Maria Chiquinha, que Sandy & Jr cantavam quando eram crianças?), letras erotizando menores de idade (quem da minha geração não cresceu escutando aquela da roda gigante dos Raimundos?)… a lista é longa.

Você pode entrar e contato e enviar uma música!

Até a próxima!


A suspensão do curso de licenciatura em Música na UNAERP

Olá. Este triste post é escrito com informações da querida Thais Padovani, formada na licenciatura em Música na UNAERP e atualmente fazendo bacharelado em canto na Unicamp. (que entrou em contato pra dizer que acompanhava meu blog, o que é sempre uma felicidade! ♥)

De acordo com a coordenação, o curso não foi extinto, está suspenso por causa da baixa procura pela licenciatura – o que é estranho, pois nos comentários do post da Thaís uma moça, a Cintia, diz que várias pessoas tentaram a bolsa do ProUni e não foram convocadas, então teve procura, sim. Talvez não grande o bastante para dar lucro? Esse é o problema de comercializar a educação…

Continue reading


A situação precária do Instituto de Artes da Unicamp em 2018

Oi! Eu estou no Instituto de Artes desde 2012, passei pela greve de 2013 e 2016 e agora estamos em um novo processo de mobilização (enquanto o DCE finge que nada está acontecendo após vazar da assembleia geral por não quererem votar uma pauta), que já resultou em duas paralisações no IA, uma na última quinta-feira, quando outros institutos também paralisaram, e outra na segunda (também conhecida como hoje).


Obrigada, Geovana, por mandar as fotos dos cartazes!

Continue reading


Escola sem partido (será votada em Campinas)

Olá! Amanhã acontecerá na câmara de Campinas a votação, em caráter de urgência, do projeto de lei da escola sem partido. Vou escrever um pouco sobre esse projeto aqui.

esp-campinas

A julgar pelo nome, não é nada de mais, pois não deveria ter partido (político) na escola. Os defensores do projeto também dizem que ele é inofensivo, pois “é só um cartaz que vai ser colado na sala de aula lembrando o que o professor deve ou não fazer”. Porém, na prática o que acontece é uma perseguição política onde estudantes são incentivadas/os a filmar docentes fazendo “doutrinação ideológica”. O que é doutrinação ideológica? Aparentemente, é falar sobre política, gênero e ensinar as “ideias da esquerda”.

Veja bem, eu concordo que a escola não é lugar de propaganda partidária, mas deve-se falar sobre política, sim. Todos nós somos seres políticos e a política faz parte de nossa vida. Sendo assim, ela deve ser discutida e professoras/es têm o papel de despertar a consciência política. É possível tratar o tema não apenas nas aulas de Sociologia, História, Geografia, mas trazer um conteúdo transversal em outras áreas. Mas – aí é que está – você não é obrigada/o a fazer isso se não quiser; entretanto, o projeto visa proibir que quem quer o faça. É essa liberdade que está sendo tirada. Um dos itens do projeto diz que docentes não devem incentivar estudantes a participar de manifestações. Essa participação deve ser incentivada, seja para ir em um protesto “Fora Temer” ou um protesto “Fora Dilma”.

Se estudantes lésbicas, gays, trans estiverem sendo vítimas de bullying e a professora ou o professor intervir falando sobre o assunto, poderá ser punida/o por estar fazendo “apologia à homossexualidade, doutrinando com a ideologia de gênero”. Em primeiro lugar, homossexuais e transsexuais não vão “desaparecer” se a escola parar de acolher. Os conservadores podem tentar esconder o máximo possível, mas essas pessoas continuarão existindo. Em segundo lugar, ninguém torna-se homossexual porque ouviu falar que ser gay não é errado ou porque viu um casal gay se beijando na TV. É completamente bizarro pensar isso e é bizarro que em pleno 2017 eu ainda tenha que dizer isso, mas: orientação sexual não é escolha e não é possível de mudar ou de ser mudada por terceiros. Se isso fosse verdade, simplesmente não existiriam homossexuais porque nós somos cercadas/os pela heteronormatividade o tempo todo em todos os lugares, não é mesmo?

Na última quinta-feira aconteceu na câmara de Campinas um debate sobre o projeto da escola sem partido, organizado pela vereadora Mariana Conti (PSOL) e pelos vereadores Carlão do PT (PT), Pedro Tourinho (PT) e Gustavo Petta (PCdoB), com a participação de uma professora da Faculdade de Educação da Unicamp e outra da PUC. Quando foi dada a palavra ao público, um representante do Movimento Brasil Livre disse que “a escola não é lugar de livre expressão porque senão o professor poderia fazer strip-tease em sala de aula”. É sério, o argumento dele foi esse. Existe vídeo disso. Bom, além desse argumento ser, francamente, ridículo (por que um professor faria isso?), ele parte de um engano com relação à liberdade de expressão. A liberdade de expressão não pode ser usada para cometer crimes como racismo ou ato obsceno.

Vale lembrar que esse projeto já foi declarado inconstitucional. Tudo bem que a nossa Constituição não parece estar valendo muita coisa hoje em dia, mas a gente ainda precisa defender que ela seja seguida, né?

Eu também acho o projeto particularmente ofensivo porque ele fala em “audiência cativa” de estudantes e as/os trata como se fossem incapazes de desenvolver pensamento próprio. Isso não é verdade. Qualquer estudante tem uma visão de mundo baseada em suas experiências e vivências familiares, escolares e com amigas/os. O ideal de professoras/es é propor debates que ampliem sua forma de pensar, não que vão limitar ou anular toda a bagagem individual.

Agora, vamos falar sobre doutrinação e ideologia. Você foi doutrinada/o na escola? Eu fui. Meus professores me ensinaram que eu “não seria ninguém” se não me formasse em uma universidade. Ah, uma universidade pública, viu? Porque eles zombavam constantemente de quem fazia universidade particular. Além de todo aquele discurso de que eu fazia parte da “elite intelectual do país” (eu fiz colégio técnico), que precisava estudar mais do que os outros, meritocracia etc. E faziam piadinhas com mulheres, com gays. Eu gostaria muito de dizer que devo a pessoa politizada que sou hoje aos meus professores, mas isso não é verdade. Devo muita coisa aos meus professores, mas infelizmente essa não é uma delas. Aliás, meu aprendizado de História foi muito raso. Eu mal aprendi história do Brasil e definitivamente nunca estudei marxismo. No Cotuca (Colégio Técnico da Unicamp), para não sobrecarregar por causa da junção de ensino médio e técnico, nós temos dois anos de História e dois anos de Geografia, não três anos das duas disciplinas. Vai me dizer que considerar essas duas como menos importantes não é ideologia? E o projeto da escola sem partido tentando determinar o que os professores podem ou não falar em sala de aula, não é ideologia? A neutralidade não existe.

Enfim, podia falar mais muita coisa sobre o tema, mas acho que deu pra começar e preciso estudar pra prova de mestrado. Vou deixar links úteis aqui:

Até a próxima!

serprofessorenaolutar


Em memória de Mayara Amaral

O post de hoje é doloroso. 2017 começou com um feminicídio em Campinas, logo na virada do ano. Mais mulheres são assassinadas a cada dia. Saiu uma estatística com os estados onde mais mulheres são mortas e os números assustam, machucam. Enquanto grupos conservadores tentam impedir o debate de gênero e menosprezam o feminismo, continuamos morrendo. Poderia ser sua mãe, sua irmã, sua amiga, poderia ser eu, poderia ser qualquer uma de nós. Dessa vez foi Mayara Amaral.

mayara

Violonista e professora, com uma dissertação de mestrado pela UFG que fala sobre mulheres compositoras para violão. Uma jovem musicista que ainda tinha tanta vida pela frente e tanto a realizar, que eu não conheci mas várias amigas minhas conheceram. O que aconteceu com ela é uma história de horror. O tratamento dado pela mídia e pela polícia ao caso é um segundo horror – estão tratando como se tivesse sido uma tentativa de roubo. Até quando vão tentar minimizar os feminicídios? A matéria da Claudia fala bem sobre isso e traz o texto-desabafo da irmã de Mayara.

Este post é para expressar minha tristeza por ter perdido uma colega e companheira. E para prestar uma homenagem queria deixar aqui um vídeo de Mayara para ouvirmos sua música.


https://youtu.be/P1ZTf6JZf-A


Concerto-protesto da Banda Sinfônica de SP

Oi! Escrevi no último post sobre a extinção da Banda Sinfônica de São Paulo, assim como os cortes que o governo estadual fará na Jazz Sinfônica e na Orquestra do Theatro São Pedro. No último domingo, dia 06/02, aconteceu um concerto-protesto da Banda Sinfônica no MASP e, como coincidiu de eu estar em São Paulo, tive a felicidade de estar presente.

bandasinfonica1

Continue reading


A extinção da Banda Sinfônica de São Paulo

O post de hoje é (mais um) triste. Conforme anunciado no final do ano, a Banda Sinfônica de São Paulo de fato foi extinta. Além disso, a Jazz Sinfônica e a Orquestra do Theatro São Pedro terão 20 músicos demitidos em cada uma.

jazzsinfonicaa
Foto por Julian Lepick, retirada da página da Jazz Sinfônica no facebook

De acordo com nota do governo do Estado de São Paulo, a Banda Sinfônica poderá ser contratada pontualmente quando houver patrocínio externo para alguma apresentação. (imagina depender disso como forma de trabalho? não dá, né?)

Quem vê pode pensar que se ainda há 32 músicos na Orquestra, é um número grande o bastante. Mas não é suficiente para esse tipo de formação musical. Cada músico era importante para o conjunto. Mais informações sobre os cortes podem ser vistas nesta notícia escrita por João Luiz Sampaio.

Está acontecendo um desmonte generalizado nos setores artísticos e culturais. Mês passado houve a extinção da Orquestra e do Coro de São José dos Campos. São tempos difíceis. Deveriam ser tempos de luta. Precisamos lutar pela arte antes que não reste mais nada.


O fim da Orquestra Sinfônica e do Coro Jovem de São José dos Campos

Oi. O ano começou com (mais) uma notícia ruim no cenário da música erudita e da cultura e artes em geral. Na segunda-feira o prefeito de São José dos Campos, Felício Ramuth, anunciou em sua página no facebook a extinção da Orquestra Sinfônica de São José dos Campos. O Coro Jovem Sinfônico de São José dos Campos já havia sido extinto no fim de novembro. Subitamente todos os músicos envolvidos com essas duas formações se viram sem emprego. O Coro tinha cerca de 50 integrantes e a Orquestra, cerca de 37.

orquestrasjc
foto do site da orquestra

Continue reading