What I’m reading 43

Quaaaase faltou postar os livros lidos no mês de abril antes de acabar o mês de maio, mas aqui está a lista pequena! Maio foi super corrido, mas vamos mantendo a meta aos trancos e barrancos.

Zodíaco – Robert Graysmith: Algo que eu consegui na quarentena interminável foi ler livros que estavam parados há muito tempo. MUITO tempo mesmo. Eu vi o filme sobre o Zodíaco mais ou menos em 2010? Logo em seguida, comprei o livro porque fiquei empolgada. Só que ele era muito igual ao filme hahahhaah e então eu parei de ler. Agora que calhou de ter mais tempo, peguei para ler. Foi uma longa leitura, mas terminei. É um livro muito detalhado. Mas recomendo mesmo ver o filme. Detalhes do livro no skoob.

Margem Esquerda – Boitempo: Primeira edição da revista da Boitempo que leio, porque veio junto no pacote do clube do livro. Essa tem a temática VALOR com artigos ótimos. Um sobre trabalho e tempo, por exemplo, me fez pensar bastante. Acho que vou escrever a respeito depois. Tem poesias no final também, de Galeano e Angela Davis, excelente. Detalhes do livro no skoob.

Fala de bicho, fala de gente: Cantigas de ninar do povo juruna Marlui Miranda, Cristina Martins Fargetti: Comprei este livro na última bienal do livro em que fui. Não tinha lido inteiro ainda, aí aproveitei que ia mostrar músicas indígenas para minhas alunas e alunos. É um livro incrível, além das gravações e transcrições das cantigas com tradução e partitura, também tem detalhes sobre os costumes do povo juruna e uma análise linguística sobre o que diferencia as falas de bicho e as falas de pessoas. Também aborda as cantigas de ninar enquanto gênero, pois o que importa para as crianças é mais a melodia e o ritmo do que o sentido das palavras, por isso temos cantigas com temas adultos. Recomendo muito para quem quer trabalhar música indígena em sala de aula. Detalhes do livro no skoob.

Keep reading e até a próxima!


A arte educação resiste: como construir uma educação libertadora diante das perseguições da onda conservadora

Continuando a postar minhas publicações aqui no blog, esta é uma comunicação que escrevi com um amigo, Leonardo Caron, para o IX Fala Outra Escola, evento da Faculdade de Educação da Unicamp, em 2019.

A arte educação resiste: como construir uma educação libertadora diante das perseguições da onda conservadora

Resumo: Este trabalho analisa a ascensão do conservadorismo na educação, que se manifesta principalmente através do projeto Escola sem Partido e na perseguição de professoras/es, usando como justificativa uma posição contrária a uma doutrinação ideológica baseada em “ideologia de gênero” e “marxismo cultural”, atacando também o patrono da educação, Paulo Freire. A seguir, apontamos como a arte-educação pode se posicionar como um instrumento de resistência, pois a Arte, dentre as áreas de conhecimento, possui um grande potencial para questionar a realidade e permitir a livre expressão das/os estudantes. Por isso a Arte também vem sofrendo perseguições, ou melhor dizendo, alguns tipos de Arte; existe uma estética artística que é considerada legítima, que tende a ser uma estética eurocêntrica apreciada pelas classes dominantes. O fazer artístico que foge desses padrões, notadamente aquele que é transgressor e gera incômodo em pessoas conservadoras, é alvo de ataques e deslegitimado. Podemos citar como exemplo o cancelamento da exposição Queer Museum após manifestações de grupos como o Movimento Brasil Livre. Dentro de uma escola libertadora, a arte-educação deve ser usada para trazer questionamentos e possibilitar a busca por respostas, de forma inclusiva. Isso implica em acolher a diversidade, oferecendo um ambiente plural para discussões, além do que acontece junto à família. Para que isso seja possível, professoras/es precisam ter liberdade para abordar conteúdos transversais sem sofrer perseguições. Após passar por alguns exemplos do cotidiano, finalizamos com reflexões sobre a importância de reconhecer o ensino da arte-educação e do fazer artístico como forma não só de resistência ao conservadorismo, mas de mudança da realidade a partir da valorização da diversidade e da possibilidade de se expressar em um momento em que tanto querem nos calar.

Palavras-chave: ​ Arte-educação; Escola sem Partido; educação libertadora.

Baixe em pdf.

Para citar:

CARON, Leonardo Cecílio; KAWAGUCHI CESAR, Patricia. A arte-educação resiste: como construir uma educação libertadora diante das perseguições da onda conservadora. In: IX FALA Outra ESCOLA, 2019, Campinas. Anais… Campinas: Unicamp, 2019.


#musicmonday 85: Eldorado dos Carajás (Sem justiça não há paz ) – MBGC

A música de hoje é um rap feito para lembrar o que aconteceu em Eldorado dos Carajás 25 anos atrás e ressaltar que sem justiça não existe paz. A autoria é do grupo MBGC (Manos da Baixada de Grosso Calibre), de Belém.

O dia 17 de abril é o Dia Internacional da Luta Camponesa, em memória dos trabalhadores que perderam suas vidas no massacre de Eldorado dos Carajás, em 1996. Nesse dia, 21 trabalhadores Sem Terra que lutavam pela reforma agrária foram assassinados pela Polícia Militar do estado do Pará e mais 69 sofreram graves ferimentos, em uma brutalidade que chocou o mundo inteiro. Essa violência extrema foi autorizada pelo Estado, que defende o projeto de morte dos grandes latifundiários.

Continue reading


Posted in Sem categoria | Tagged , , | Comentários desativados em #musicmonday 85: Eldorado dos Carajás (Sem justiça não há paz ) – MBGC

A pressão para o retorno às aulas presenciais

Desde ano passado existe um grande movimento que pede o retorno das aulas presenciais na educação básica. Mas não existe meios de fazer esse retorno com a pandemia descontrolada. A culpa não é de professoras e professores, é do governo (principalmente o federal) que não fez esforços para diminuir os números de contágio e de mortes, muito pelo contrário. Vou colocar aqui alguns dos argumentos a favor das aulas presenciais.

Continue reading


A música na educação básica: caminhos tortuosos, reflexões e resistências (existências)

Oie! Começando o projeto de colocar todas as minhas publicações aqui no blog, vou começar pelas mais recentes. Este é um artigo que escrevi para o II Jornada Fladem e Fórum Latino-americano de Música na Educação Básica do FLADEM Brasil. Para a minha maior surpresa, gostaram tanto do meu artigo que me chamaram para apresentá-lo no formato de mesa! Foi uma viagem muito emocionante (o evento foi em João Pessoa) e fiquei muito feliz.

A música na educação básica: caminhos tortuosos, reflexões e resistências (existências)

Resumo: Este artigo buscou fazer a partir de pesquisa bibliográfica um levantamento histórico do ensino de música no Brasil, desde o período de colonização, passando pela criação do primeiro conservatório, chegando até o ensino nas escolas, específico ou polivalente. Depois da apresentação histórica, faz reflexões sobre o panorama político-educacional atual e a importância de persistir e resistir na arte-educação dentro de uma concepção de educação
libertadora.
Palavras-chave: educação básica; história do ensino de música; políticas educacionais.

Baixe em pdf.

Para citar:

KAWAGUCHI CESAR, Patricia. A música na educação básica: caminhos tortuosos, reflexões e resistências (existências). In: II Jornada Fladem Brasil, 2019, João Pessoa. Anais… João Pessoa, IFPB, 2019.


#musicmonday 84: JESUS! (A communist disco) – Micah Tewers

Você já pensou em juntar Jesus, comunismo e música disco? O resultado é surpreendente! É uma música de Micah Tewers, que diz em sua página no Facebook que a criou nesse momento de desespero e medo pelo qual passamos. Ele quis trazer um pouco de esperança e um senso de união e comunidade. A estética do clipe é simplesmente perfeita, com um detalhe para a Fenomenologia do Espírito do Hegel rs. Workers unite! Defenda o SUS!

Continue reading