#musicmonday 76: Cell Block Tango

Gente, faz mais de um ano que eu não postava um musicmonday, o último foi no dia 07/11/2016 O.o Enfim, junto com o retorno do blog, retorna uma das categorias mais antigas: a indicação de música. Com direito a várias versões, covers etc, tudo que for interessante.

Continue reading


Cursando disciplinas como estudante especial!

Oi! No fim de 2016, após muitas aventuras, eu me formei na graduação na Unicamp. No primeiro semestre de 2017, fiz duas disciplinas da pós-graduação como estudante especial. Mas afinal o que é estudante especial, talvez você esteja se perguntando?

Continue reading


Planejamento de novembro

Oi! Vamos desconsiderar que já passaram 10 dias de novembro e fazer um post sobre o mês =p Como vocês fazem pra se planejar? Recentemente comecei a fazer uma checklist mensal, inspirada na que a Thaís Godinho faz no Vida Organizada, inclusive pegando vários itens de lá. Aí acrescento algumas coisas que fazem sentido pra mim, por exemplo objetivos musicais. Resolvi compartilhar aqui para ver se vocês acham interessante!

Continue reading


Músicas para o Halloween!

Oi! Amanhã é o Halloween! Estão animados? Fizeram a festa no fim de semana? Eu vou fazer a minha no feriado. Decidi fazer um post com ideias de músicas que combinem com a data. Aquelas músicas que passam uma sensação meio “macabra” ou assustadora. Pedi sugestões no twitter (você já me segue lá?) e recebi algumas muito legais! Se você quiser dar ideias também, é só colocar nos comentários que eu edito! (´・ω・`)

halloween

Continue reading


18 coisas para fazer antes de 2018

Oi! Eu vi no instagram uma foto com 18 coisas para fazer antes de 2018 e fiquei inspirada! Com outubro praticamente acabado, novembro chegando com 3 feriados, a gente pisca o olho e já é natal. Então é um bom momento para rever as suas metas pra 2017 (se você fez), rever seus projetos em geral e pensar no que ainda dá tempo de fazer nestes dois meses :)

18things

Essa é a minha listinha. Tentei colocar alguns projetos de trabalho (fazer um curso da game audio academy, me dedicar mais ao violão, compor músicas pras aulas), coisas que estava (estou) procrastinando (arrumar a casa, separar coisas pra vender/doar, organizar partituras) e coisas que seriam divertidas (tirar fotos inspiradoras, fazer drinks, fazer uma festa de aniversário pros gatos)! Não sei se vou conseguir fazer tudo, mas vou me empenhar! ★ Depois posto o resultado aqui!

E vocês? Quais são as 18 coisas que gostariam de fazer antes do próximo ano?

Até a próxima!


De volta ao blog (de novo) (agora é pra valer)

(tira as teias de aranha do blog e passa uma vassoura)

Oi, gente! 2017 foi um ano excepcionalmente caótico na minha vida e precisei enfrentar muitas batalhas, mas agora acho que ele vai se encerrar de forma tranquila. Então quero voltar a me dedicar a escrever, separar um tempinho pra fazer isso, porque é uma coisa que faz muita falta na minha vida, de verdade.

youcandoit
You can do it! Fotinho não relacionada do meu instagram.

Ideias não faltam, tenho uma lista enorme do que postar. O que faltava mesmo era o tempo e a organização e, às vezes, motivação para escrever. Mas vamos que vamos.

Também estou pensando em postar algumas outras coisas não relacionadas a música, por exemplo, receitas, talvez viagens, dicas de organização, coisinhas de papelaria, fotos inspiradoras… Não sei, tem bastante coisa que gostaria de compartilhar e acho que seria legal postar aqui. Mas obviamente a música vai ser sempre o foco principal porque é o foco principal da minha vida.
♫ヽ(゜∇゜ヽ)♪♬(ノ゜∇゜)ノ♩

Obrigada todas e todos que continuam acompanhando ♥ Até a próxima!


Escola sem partido (será votada em Campinas)

Olá! Amanhã acontecerá na câmara de Campinas a votação, em caráter de urgência, do projeto de lei da escola sem partido. Vou escrever um pouco sobre esse projeto aqui.

esp-campinas

A julgar pelo nome, não é nada de mais, pois não deveria ter partido (político) na escola. Os defensores do projeto também dizem que ele é inofensivo, pois “é só um cartaz que vai ser colado na sala de aula lembrando o que o professor deve ou não fazer”. Porém, na prática o que acontece é uma perseguição política onde estudantes são incentivadas/os a filmar docentes fazendo “doutrinação ideológica”. O que é doutrinação ideológica? Aparentemente, é falar sobre política, gênero e ensinar as “ideias da esquerda”.

Veja bem, eu concordo que a escola não é lugar de propaganda partidária, mas deve-se falar sobre política, sim. Todos nós somos seres políticos e a política faz parte de nossa vida. Sendo assim, ela deve ser discutida e professoras/es têm o papel de despertar a consciência política. É possível tratar o tema não apenas nas aulas de Sociologia, História, Geografia, mas trazer um conteúdo transversal em outras áreas. Mas – aí é que está – você não é obrigada/o a fazer isso se não quiser; entretanto, o projeto visa proibir que quem quer o faça. É essa liberdade que está sendo tirada. Um dos itens do projeto diz que docentes não devem incentivar estudantes a participar de manifestações. Essa participação deve ser incentivada, seja para ir em um protesto “Fora Temer” ou um protesto “Fora Dilma”.

Se estudantes lésbicas, gays, trans estiverem sendo vítimas de bullying e a professora ou o professor intervir falando sobre o assunto, poderá ser punida/o por estar fazendo “apologia à homossexualidade, doutrinando com a ideologia de gênero”. Em primeiro lugar, homossexuais e transsexuais não vão “desaparecer” se a escola parar de acolher. Os conservadores podem tentar esconder o máximo possível, mas essas pessoas continuarão existindo. Em segundo lugar, ninguém torna-se homossexual porque ouviu falar que ser gay não é errado ou porque viu um casal gay se beijando na TV. É completamente bizarro pensar isso e é bizarro que em pleno 2017 eu ainda tenha que dizer isso, mas: orientação sexual não é escolha e não é possível de mudar ou de ser mudada por terceiros. Se isso fosse verdade, simplesmente não existiriam homossexuais porque nós somos cercadas/os pela heteronormatividade o tempo todo em todos os lugares, não é mesmo?

Na última quinta-feira aconteceu na câmara de Campinas um debate sobre o projeto da escola sem partido, organizado pela vereadora Mariana Conti (PSOL) e pelos vereadores Carlão do PT (PT), Pedro Tourinho (PT) e Gustavo Petta (PCdoB), com a participação de uma professora da Faculdade de Educação da Unicamp e outra da PUC. Quando foi dada a palavra ao público, um representante do Movimento Brasil Livre disse que “a escola não é lugar de livre expressão porque senão o professor poderia fazer strip-tease em sala de aula”. É sério, o argumento dele foi esse. Existe vídeo disso. Bom, além desse argumento ser, francamente, ridículo (por que um professor faria isso?), ele parte de um engano com relação à liberdade de expressão. A liberdade de expressão não pode ser usada para cometer crimes como racismo ou ato obsceno.

Vale lembrar que esse projeto já foi declarado inconstitucional. Tudo bem que a nossa Constituição não parece estar valendo muita coisa hoje em dia, mas a gente ainda precisa defender que ela seja seguida, né?

Eu também acho o projeto particularmente ofensivo porque ele fala em “audiência cativa” de estudantes e as/os trata como se fossem incapazes de desenvolver pensamento próprio. Isso não é verdade. Qualquer estudante tem uma visão de mundo baseada em suas experiências e vivências familiares, escolares e com amigas/os. O ideal de professoras/es é propor debates que ampliem sua forma de pensar, não que vão limitar ou anular toda a bagagem individual.

Agora, vamos falar sobre doutrinação e ideologia. Você foi doutrinada/o na escola? Eu fui. Meus professores me ensinaram que eu “não seria ninguém” se não me formasse em uma universidade. Ah, uma universidade pública, viu? Porque eles zombavam constantemente de quem fazia universidade particular. Além de todo aquele discurso de que eu fazia parte da “elite intelectual do país” (eu fiz colégio técnico), que precisava estudar mais do que os outros, meritocracia etc. E faziam piadinhas com mulheres, com gays. Eu gostaria muito de dizer que devo a pessoa politizada que sou hoje aos meus professores, mas isso não é verdade. Devo muita coisa aos meus professores, mas infelizmente essa não é uma delas. Aliás, meu aprendizado de História foi muito raso. Eu mal aprendi história do Brasil e definitivamente nunca estudei marxismo. No Cotuca (Colégio Técnico da Unicamp), para não sobrecarregar por causa da junção de ensino médio e técnico, nós temos dois anos de História e dois anos de Geografia, não três anos das duas disciplinas. Vai me dizer que considerar essas duas como menos importantes não é ideologia? E o projeto da escola sem partido tentando determinar o que os professores podem ou não falar em sala de aula, não é ideologia? A neutralidade não existe.

Enfim, podia falar mais muita coisa sobre o tema, mas acho que deu pra começar e preciso estudar pra prova de mestrado. Vou deixar links úteis aqui:

Até a próxima!

serprofessorenaolutar


CONINTEA – Congresso Internacional sobre o TEA (Transtorno do Espectro do Autismo)

Oi! Recebi no grupo do colégio este congresso que vai acontecer no mês que vem, de 12 a 16 de setembro. É a primeira edição do CONINTEA. Ele é virtual e gratuito. Tá esperando o quê pra se inscrever?!

conintea

São cinco dias com muitas palestras – cada dia tem três ou quatro, em horários determinados. Você pode assistir às palestras “ao vivo” no horário marcado ou, se pagar pelo acesso VIP, poderá assisti-las a qualquer momento durante um ano. Ah, só quem tiver o acesso VIP receberá o certificado.

Acho que será uma excelente oportunidade. Os temas das palestras são muito interessantes. Então, de novo, tá esperando o quê pra garantir sua inscrição? Entre no site agora mesmo!