Efeito Mozart: música e inteligência

Olá! Hoje vou falar sobre o Efeito Mozart. Explicar o que é, falar sobre as pesquisas e dar minha opinião.

Tudo começou quando, em 1991, Dr. Alfred A. Tomatis afirmou que a música de Mozart é benéfica para melhorar problemas como dislexia, deficit de atenção, autismo e dificuldades motoras. Embora tenha sido o primeiro a usar o termo “Efeito Mozart”, ele nunca afirmou que ouvir esse compositor aumenta a inteligência, que é como o termo se popularizou.

Em 1993 os pesquisadores Rauscher, Shaw e Ky realizaram um estudo; eles dividiram universitários em três grupos. Um grupo ouviu uma sonata de Mozart (Sonata para dois pianos em Re Maior), outro grupo ouviu música relaxante e o terceiro ouviu silêncio. O resultado do experimento foi que houve um aumento do raciocínio espaço-temporal nos estudantes que ouviram Mozart.

Popularmente, as pessoas interpretaram esse resultado como: “a música de Mozart te deixa mais inteligente”. Em 1997, Don Campbell escreveu um livro (“The Mozart Effect: Tapping the Power of Music to Heal the Body, Strengthen the Mind, and Unlock the Creative Spirit”) em que afirma que ouvir Mozart aumenta temporariamente o QI e produz diversos outros benefícios mentais. A seguir, escreveu outro livro (“The Mozart Effect For Children” – O Efeito Mozart para crianças) em que afirma que ouvir essas músicas desenvolve a inteligência e criatividade das crianças.

Essa teoria para crianças foi muito bem aceita, tanto que em 1998 o governador da Georgia, Zell Miller, gastou 105.000 dólares em um projeto que dava um cd de música erudita para cada bebê recém-nascido. A “sabedoria popular” foi mais além e algumas pessoas começaram a recomendar as músicas para grávidas, pois as 60 batidas por minuto de algumas das músicas coincidiriam com as batidas do coração do feto e isso teria efeito positivo sobre ele.

Além das questões de raciocínio e inteligência, um estudo feito em 2007 mostra que a música de Mozart ajuda a controlar crises epilépticas. Esse estudo cita também outros compositores como Bach.

Claro que nem todos os estudos são favoráveis. Em 2010, pesquisadores da da Universidade de Viena analisaram os estudos realizados e concluiram que não há evidências concretas de que a música possa aumentar as habilidades espaço-temporais. De acordo com eles, o Efeito Mozart é apenas um mito.


Cena do filme Amadeus

Opinião

Não sou psicóloga nem musicoterapeuta, então, sobre esse assunto, minha opinião é a opinião de uma leiga. Não acho correto falar que a música de Mozart – ou qualquer outra música – aumente a inteligência. Você pode estudar e aumentar seu conhecimento. Você pode praticar exercícios repetidas vezes para deixar seu raciocínio mais ágil. Mas “inteligência” é um conceito mais abstrato que isso e falar “ouvir Mozart te deixa mais inteligente” é sensacionalista demais.

Não duvido que a música erudita possa ter efeitos benéficos. Só não acho correto radicalizar e julgar que outros estilos musicais como rap têm efeitos negativos, como uma mãe que disse que deixam as crianças mais violentas neste site (em inglês). Isso é tão absurdo quanto dizer que videogames deixam as pessoas mais violentas. Letras que fazem apologia a drogas, sexo e violência não são apropriadas para crianças, até concordo. Mas creio que diálogo e atenção funcionam bem melhor do que proibições, no que se refere à formação do caráter.

De qualquer forma, ainda que a música não tenha nenhuma influência sobre a inteligência, com certeza mal não faz. Acho legal incentivar as pessoas a ouvirem não apenas Mozart, mas outros compositores eruditos também.

Mas bem que eu gostaria de ter descoberto isso de melhorar a noção espaço-temporal antes. Talvez com uma overdose de Mozart eu não teria atropelado o balizador e reprovado no meu primeiro exame de direção…

Se você leu todo esse texto, por favor, compartilhe sua opinião também. Ela será muito bem-vinda nos comentários.


Imagem do mangá Piano no mori

Ouça Mozart!

Rondo alla turca, ou Marcha turca, nome popular do terceiro movimento da Sonata nº 11 K 331
Sinfonia nº 25 – Allegro con brio
Serenata nº 13, conhecida como Eine kleine Nachtmusik
Requiem: Dies Irae
Sinfonia nº 40 – Molto Allegro
Piano Concerto nº 25 – Allegro maestoso
Sonata para dois pianos em Re Maior
Sonata nº 2 K 280


Mozart com sua irmã e seu pai. Você pode ler mais sobre sua família neste post

Links

Alguns sites que eu li antes de escrever este post:
Mozart Effect – Wikipedia
The Mozart Effect – BBC Parent’s Music Room
Mozart’s music does not make you smarter, study finds – ScienceDaily
Efeito Mozart é eficaz no controle de crises epilépticas? – Vya Estelar

Posts relacionados:


21 Responses to Efeito Mozart: música e inteligência

  1. Pingback: Tweets that mention Efeito Mozart: música e inteligência | Nocturne in the Moonlight -- Topsy.com

  2. Olá! :)
    Esse post é muito interessante, e a questão "mito x realidade" do Efeito Mozart é realmente intrigante.
    O que sei com relação ao efeito é que há melhorias na concentração. Não me lembro onde, mas li que ouvir músicas eruditas, principalmente as mais elaboradas, criam um pico na concentração 10 minutos após ouvir. O pico chega a alcançar uns 20 minutos de concentração média/alta, e é uma boa prática antes de concursos!
    Bom, de acordo que eu li nesse lugar do qual não me lembro, é nada mais do que um efeito temporário. O que posso afirmar é que a música erudita mexe com a emoção e me faz muito feliz :) Melhorando ou não a inteligência ou a concentração, ela é simplismente maravilhosa *-*

  3. Efeito Mozart… não creio que te deixa mais inteligente, porém ele tem um efeito variado de pessoa a pessoa, como com a @michellecom2ls, ela fica feliz, eu fico feliz, impressionado e também relaxado ouvindo música erudita.

  4. Eu ouço outros compositores clássicos, mas Mozart é o que mais gosto, não sei se suas composições influência alguma atividade cerebral, mas particularmente me sinto bem melhor quando ouço esse compositor, é mágico e vibrante.

  5. Oi!
    Falo como musicoterapeuta, que realmente as composições de Mozart não estimulam a inteligencia. O que estimula a inteligencia é o estudo, e a observação. As musicas eruditas e musicas clássicas, de fato causam picos de estimulo e esses picos podem ter duração de no minimo 10 a no máximo 20 minutos, conforme o caso. Porem conforme pesquisas da neurociência e da psicologia, as composições de Mozart, despertam estes picos com maior facilidade. Por isso que o fenômeno é chamado de Efeito Mozart. As composições de Mozart possuem ritmos atemporais, o que causa um estimulo nos neurônios responsáveis pela memorização e concentração. teoricamente, quanto maior exposição a Mozart, maior a concentração. E sendo maior a concentração, maior é o aprendizado, o que logicamente aumenta a inteligencia. Porem, tudo o que se afirma sobre o Efeito Mozart, ainda esta em estudo e a neurociência tem apenas evidencias, mas busca-se a comprovação dos fatos. Somente então é que o efeito é tido e aceito como verdadeiro. Até lá, teremos que esperar. E com certeza Anne, que não somente Mozart, mas qualquer estilo musical influencia em nossa atividade cerebral. Com relação a isso, ja está cientificamente comprovado, que a musica pode acelerar ou diminuir nosso batimento cardíaco. A musica pode acelerar ou ajudar a acalmar

  6. Olá,
    Efectivamente a musica produz efeitos, não só no nosso organismo, mas em todos os animais, por exemplo está provado que as vacas produzem mais leite ao som de musica clássica, como tal acredito que, tal como o estudo disse, aumenta determinado tipo de ondas no cérebro que ajuda a concentração. Efectivamente ninguem fica mais inteligente com isso, apenas se consegue focar melhor durante mais tempo e isto para uma pessoa com défice de concentração é algo muito determinante. Eu sofro desse problema e quando ha algo que me faz concentrar melhor, sejam medicamentos, musica ou determinadas bebidas com taurina, pareço outra pessoa, as respostas são melhores, estou menos apático menos deprimido com mais energia. É de facto exagerado dizer que alguem passa a ser inteligente com musica seja ela qual for. Embora acredito que determinados estilos de musica também possam potenciar agressividade em indivíduos já predispostos ao mesmo.

  7. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    COMO EU DESEJO QUE OUTRAS PESQUISAS CONSTATEM O 'EFEITO MOZART' AUMENTANDO O Q.I!!!!!!!! EU DORMIRIA OUVINDO MOZART TODAS AS NOITES E ENTÃO CHEGARIA A SUPERDOTAÇÃO EM EXATAS, ESPECIALMENTE EM FÍSICA QUE ADMIRO TANTO!!!!!!!!!!!!

  8. Bom, deixarei minha opinião que é baseada em minha experiência.
    Tenho dificuldades enormes em organizar idéias e problemas para me concentrar. Tarefas simples muitas vezes me parecem um labirinto sem fim… estudei um pouco de música na juventude, mas nunca tive interesse por música clássica, até pouco tempo. A questão é que retomei a música a pouco tempo e meu interesse por música clássica aumentou, não sei explicar, mas minha concentração melhorou, as idéias estão bem mais organizadas e consigo executar tarefas sem interrompê-las. Sendo mito ou não, para mim valeu a pena.

  9. Tenho Síndrome de Tourette e fui praticamente curado por causa de Mozart.

    E ainda falam que ouvir Mozart não deixa mais inteligente… Ele deixa, a medida em que você saiba usá – lo de forma adequada em função do seu nível de inteligência.

    Ouvir Mozart, meu amigo, vai te levar para um mundo totalmente diferente. Durante anos fui colocado para dormir por meu pai (pianista profissional) ao som de Mozart. Deu no que deu…

  10. Que falta de educação a minha. Esqueci de parabenizar – te pelo site. Belo site. Bom texto, parabéns. Agora que fui ver que você é pianista. Não tenho dúvidas que deve entender o Efeito Mozart muito melhor do que eu, assim como meu pai entendia.

  11. oi flor… amei o artigo. De toda maneira, a sonoridade é tão agradável que nos acalma, diferente de outros ritmos muito pesados. De todo jeito, já existe uma outra pesquisa dizendo que musicas mais complexas, como as de Beethoven e Mozart, são melhor aproveitadas pelo cérebro, porque a memória "compacta" maior quantidade de sons com este tipo de música do que obviamente, uma música com batidas repetitivas.

  12. Não acredito no efeito mozart entre si mas sim no efeito “bethoveen” “chopin” “bach” “mozart”

    Enfim…. No efeito da musica em geral de acordo com o gosto de cada pessoa.

  13. Parabéns por seu trabalho com a música. É possível sim perceber o quanta a música erudita, não só Mozart, faz bem a alma. São composições de beleza grandiosa. Amo a música clássica, sinto ter estudado música muito velho, talvez se tivesse dedicado desde minha infância seria um grande músico, compositor e cantor, pois adoro cantar ópera também.

  14. Olá, li seu post e concordo com algumas coisas e descordo de outras.
    A música de Mozart não aumenta a inteligencia. Na verdade, ela aumenta a massa cinzenta por um tempo, semelhante a efeitos proporcionados pela atividade física. Ou seja, ela deixa o cérebro afiado! assim como um lenhador afia seu machado. O que vem na sequência é o grande divisor de águas. Se você utilizar o cérebro e estudar com qualidade, você aprenderá mais rápido, fácil e (provavelmente) permanente. Diferente de uma pessoa que não está afiada, cujo terá que estudar mais e repetir algumas vezes até aprender.
    Uma boa analogia disso é a do lenhador e do machado. O lenhador com machado afiado, corta com maior facilidade e alcança seu objetivo mais rápido, enquanto que um com machado não afiado leva mais tempo, mas também chega no seu objetivo.

  15. Muito interessante e com o texto bem fluido. Acho que caberia ao termino registrar algumas bibliografias ou links pesquisados, como acontece em atividades acadêmicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *