A queda do interesse pelo piano no Brasil

Olá a todos! Eis que eu recebo o seguinte tweet da Matsuri:

Primeiramente, gostaria de garantir que não me furtarei ao meu dever, Brasil!!! ò.ó Tenho certeza de que junto com a Le, conseguirei ressuscitar o interesse pelo piano!!

Tá, agora deixa eu explicar. O link que ela me mandou foi este: Interesse na prática do piano cai e esvazia competições no Brasil; qual seria o motivo?

É essa a questão que quero propor aqui também. Vou destacar dois trechos da matéria; leiam na íntegra clicando no link acima.

“No mês passado, a poucos dias de encerrar as inscrições, o Concurso Nelson Freire OSB Jovens Solistas tinha arrolado vários concorrentes na categoria “outros instrumentos” e nenhum na de piano. A coordenadora do certame, Rosana Martins, pediu a professores que enviassem alunos e conseguiu, enfim, a adesão de cinco pianistas. Os demais instrumentos reúnem 29 candidatos. Até a clarineta está mais representada que o piano, com seis praticantes.”

“Como professora particular, ela [Rosana Martins] vem notando uma crise nessa profissão:

– O interesse no piano caiu assombrosamente nos últimos dez anos. Antigamente, os pais investiam no ensino de música para os filhos. Além de dificuldades financeiras que passaram a afetar mais a classe média, acho que um fator desestimulante é a dificuldade de se construir uma carreira. Jovens querem resultados rápidos, e, para se aperfeiçoar na música, leva tempo. Por isso, mesmo quem aprende piano hoje fica num nível semiprofissional.”

Concordo com a professora. O ensino de música nas escolas é precário e raramente desperta o interesse na criança. Se, quando já adolescente, ela decidir aprender um instrumento, há de fato a impaciência. Frequentando foruns de música, eu vejo isso. Os jovens querem aprender a tocar perfeitamente em um mês, não têm dedicação pra praticar exercícios por causa dessa pressa.

Outro ponto que eu noto é que muitos fazem aula de instrumento por alguns meses, quando muito por um ano, e então já julgam serem capazes de continuar o aprendizado sozinho. Ou então, por motivos financeiros, não podem fazer aulas ou acham um desperdício de dinheiro. Não tenho nada contra auto-didatas, os meus textos de teoria musical são voltados para pessoas que estão aprendendo sozinhas. Mas não são todos que conseguem aprender por conta própria; tem gente que acaba se frustrando e desistindo da música. Entendo que falta de dinheiro seja um problema, mas é muito mais proveitoso aprender com a orientação de um professor.

Mas isso que eu disse até agora vale pra qualquer instrumento. Falando das dificuldades do piano em si:

O piano é um instrumento grande, pouco prático e muito caro. O preço pra comprar um piano meia boca é quase o preço de uma guitarra top. Não dá pra levar o piano pra tocar com os amigos como você faria com um violão ou uma flauta. É complicado; muita gente tem “preconceito” com o piano por esses motivos, e também por achar antiquado e outras coisas mais.

Pianos digitais são uma opção para quem quer tocar piano e poder transportar seu instrumento para apresentações. Mas para aqueles que tencionam tocar música erudita, é mais complicado. Um piano digital não se compara a um piano de verdade. Eu demorei dois anos até conseguir comprar o meu acústico, e a diferença é gritante.

Então, acho que o maior problema é o difícil acesso aos pianos e a aulas de música de qualidade. Some-se a isto o gosto musical um tanto duvidoso da maioria da população. Piano com rebolation? Piano com axé? Piano com funk? Choro, samba e bossa nova são tão bonitos e tão brasileiros, é uma pena que estejam um tanto esquecidos…

Por favor, deem a sua opinião sobre o assunto. Mesmo quem não toca piano. Será uma honra ver a opinião de outros instrumentistas e até de quem não toca nenhum instrumento.

PS: Pra quem não sabe, mesmo tendo começado meu aprendizado tardiamente, eu tenciono cursar uma faculdade de música e ser professora de piano – além de fazer recitais de música erudita, game music e metal no piano ;)

Posts relacionados:


12 Responses to A queda do interesse pelo piano no Brasil

  1. Patty, Eu concordo com você sobre as dificuldades de ser um profissional de piano. Acredito, ainda, que em todas as áreas que se precise muita dedicação, acontece pouco interesses. Como você mesma disse, os jovens de hoje querem tudo de prontidão. Mas ainda, acho que nada substitui um talento lapidado! Ótima discussão, parabéns!

  2. Isso vale pra qualquer instrumento, eu acho. Música erudita é em sua maioria vista como "música para velhos". Acho que um nescessário é quebrar essa barreira e ir arrumando. O bom é o fato de termos metal melódicoo, sinfonico e etcs que usam bastante orquestras nas músicas, o que aproxima um publico diferente e as vezes até faz com que a pessoa passe a gostar e tenha interesse. De qualquer forma, é lutar e correr atrás. Se começou depois, corra o dobro. To fazendo isso também hahaha pena que não toco desde pequeno, violino, no meu caso.Sorte pra gente!

  3. Nossa, isso é muito triste, mesmo =/De fato, tecladistas e violonistas tem muitos aqui na minha cidade (não desprezando esses instrumentistas palamordedeus), mas que eu saiba, a única pianista aqui sou eu o.o E olha que Charqueada nem é tão pequena assim XD (16.000 habitantes)Enfim, eu noto que muitas das pessoas que convivem comigo tem um preconceito muito grande com piano, meu avô mesmo ficou espantado quando me viu tocar, ele disse que achava que piano só servia pra tocar "música de igreja" XDAlguns conhecidos chegaram aqui escutando Justin Bieber (juro que era ele mesmo -.-)e deram risada quando eu disse que gostava de chorinho e bossa nova O.o" (aqui cabe um épicfacepalm -.-). Então eu resolvi tocar algumas músicas pra eles (entre elas a "Tico Tico no Fubá" que eu estou treinando de novo) e adivinhem? Eles amaram! XDEnfim, só sei que eu vou fazer de tudo pra quebrar esse preconceito bobo ò.Ó

  4. @Paul:Sim, infelizmente é isso mesmo. Obrigada pela sua opinião!—@Khronos:De fato, notei que muita gente que curte metal acaba se interessando por música erudita depois de notar certas semelhanças e influências!Já vi também gente falando que quem gosta de música instrumental é antiquado. Não sei por que ficar rotulando as pessoas e as músicas dessa maneira.Como você bem disse, vamos correr atrás. Boa sorte! =)—@Le:Não é desprezo, mas realmente a quantidade de violonistas é muito maior. Violão é um instrumento relativamente barato e fácil de carregar por aí. Tem também o fator cultural de formar rodinhas de violão…Esse caso que você contou retrata bem o preconceito que as pessoas têm: elas menosprezam e acham antiquado sem nem mesmo conhecer!Vamos fazer a nossa parte pra que isso mude. =)

  5. Então Paty, eu acredito o seguinte: Acho que de uma forma geral os instrumentos musicais de forma geral perderam repercussão de vendas, você vai na Teodoro até mesmo de Sábado você percebe que o movimento das lojas e nas ruas são baixos, outro dia até estava pensando e cheguei a conclusão que ninguém percebeu mas diversos estilos musicais estão extintos, criaram-se tantas raízes e têm um artigo de 2003 que andei lendo (era do cocadaboa, mas apagaram ja) que fala sobre o fim da composição musical em 15 anos, esse tempo ja acabou ja! é plágio atrás de plágio . Agora em relação ao piano sim realmente existe também essa questão pelo piano ser grande e digamos que piano (piano mesmo de cauda) sempre foi um instrumento para poucos ouvidos (em questão cultural deveria ser amplo), mas por questão de falta de informação muitas pessoas não sabem o que é uma boa música com boa qualidade sonora, nós nascemos com um ouvido excelente! mas estragamos ele quando o cérebro é desviado pela mídia, e ainda o fator que depois que os sintetizadores começaram a diminuir e surgiram os teclados todo mundo acha que é a mesma coisa, mas não é, agora…tem muitas questões sobre isso, envolve o mercado musical, essa questão da influência de cada um, envolve um grande problema que existe a pelo menos uns 20 anos que é o problema da criatividadeé muita coisa que tem pra se comentar, daria um livro uahuahuahua, mas essa seria uma parte (apenas uma pontinha eu diria) da realidade dos dias de hoje

  6. É um ponto a ser observado. Fato é que existe realmente muita informação disponível para os jovens de hoje. Como um pai pode incentivar seu filho a tocar piano, interesse concorrendo com orkut, videogame, internet, etc???? Forçar não dá né? Coisa do passado. Já chega minha tia que só toca piano porque o pai dela obrigava e ela se diz traumatizada. São novos tempos. Porém aposto que a qualidade é muito melhor! Faz piano quem tem realmente interesse no piano. Então todos são muito mais talentosos , como vocês meninas que nos presenteiam com performances maravilhosas de gamemusic! ^^Em relação a preço acho que isso nunca foi a questão em si. Piano sempre foi caro! E pra deixar vocês mais animados, na escola onde estudo é complicado acertar um horário com os professores tamanha a procura por aulas de piano! :)

  7. @Ricardo:Hum… Realmente não sei como anda o mercado de instrumentos musicais. Ainda vejo um interesse considerável das pessoas em comprar teclados, guitarras e violões.Quanto à questão dos estilos extintos, é uma pena que esse texto tenha sumido. Acho que de fato a qualidade das composições caiu muito nos últimos tempos. Mas ainda dá pra encontrar gente compondo músicas de qualidade. Só que essas pessoas não têm muito espaço pra mostrar seu trabalho.Sobre ser um instrumento pra poucos ouvidos… Hoje em dia isso é verdade, infelizmente. Mas não foi sempre assim, o piano já foi bastante usado na música popular aqui no Brasil. Dá pra ler um pouco sobre isso neste texto aqui:http://nocturne-in-the-moonlight.blogspot.com/2009/10/conhecendo-mais-o-piano-parte-5-os.htmlE essa é mesmo uma questão muito ampla. Muito obrigada por comentar!

  8. @César:Também não concordo com os pais obrigarem as crianças a aprender um instrumento. A criança pode até conseguir técnica, tocar direitinho… mas sempre vai faltar o amor pelo instrumento.Acho que é uma questão não de obrigar, mas de incentivar. Por exemplo, meus pais são pessoas completamente amusicais, hehe. Quando eu era criança e morava no Japão, meus irmãos tinham um teclado. Eu vivia brincando de tocar. Mas quando voltamos pro Brasil, o teclado foi guardado num canto e eu acabei esquecendo o interesse que tinha por ele. Se meus pais tivessem perguntado se eu queria aprender a tocar ou algo assim, provavelmente teria descoberto o piano muito mais cedo.O incentivo deveria vir não só dos pais, mas também das escolas. Eu tive aula de música no primário, mas ela se resumia a todo mundo pegar a flauta doce e tocar ao mesmo tempo muito mal. Ou então cada um escolher um instrumento dentre coquinho, reco-reco, triângulo, chocalho e pratos e formarmos uma bandinha, tocando aleatoriamente. Também tinha um coral em que todo mundo cantava no tom que bem entendesse. Ritmo? Partitura? O que é isso?Teve uma época em que o piano foi um pouco mais barato, acabei de ver isso no texto sobre os pianeiros que sugeri no comentário acima! Mas não sei qual era o padrão de barato dessa época.Obrigada por comentar, e obrigada pela parte que nos toca. =)

  9. Eu li essa reportagem sobre o piano no jornal, posso dizer que ela me deu um pouco de raiva. Eu fiz dois anos de aula de piano, só que com UMA HORA por SEMANA. Pelo amor, não tem como comparar com gente que faz aula horas por dia em 8 anos por exemplo. Uma das coisas que mais quero na vida é tocar piano, não é só tocar de qualquer jeito não, não quero aprender em um mês como muitos querem, pq é IMPOSSÍVEL. Quero me aperfeiçoar no piano, mas vc pode me dizer como? Aula de piano onde eu moro só paga mesmo. Aqui tem Escola de Música Villa Lobos, mas é muito caro véio, é um absurdo. Desinteresse??? Não. Falta de oportunidade. Quando eu comecei a me interessar por piano eu tinha uns 13 anos, logo depois de tanto pedir a Deus comecei a fazer aulas, eu tinha 15 anos, eu treinava com um teclado usado que me deram.(Graças a Deus hoje eu tenho um piano digital pelo menos).Minha mãe me disse que o sonho dela era tocar piano, isso ela me falou só dps que eu comecei a fazer as aulas. Logo depois minha prima(que já é adulta) me falou tbm que queria ter aprendido a tocar. Elas tiveram oportunidade na sua juventude ou alguém que as incentivassem? NÃO. Assim como elas muitas pessoas não tem chances de fazer o que gosta aqui nesse BRASIL e eu aposto que eu tbm não vou ter chances se eu não correr atrás e fazer alguma coisa por mim mesma. Tudo é pago, tudo é muito caro. É claro que tem lugares que dão aula de graça, mas tem comparação com alguém que faz aula particular com um bom professor? Claro que não. Aliás quem é que vai dar aula de graça pra vc por vários anos? Muito difícil mesmo. Às vezes acho impossível realizar meu sonho, mas tenho fé em Deus que um dia eu vou começar a realizá-lo.

  10. @Miriettee:
    Olha só, o padrão mesmo é ter uma hora por semana de aula. Embora eu esteja pensando em ver com meu professor a possibilidade de fazer duas horas a partir do semestre que vem, não acho que isso seja necessariamente ruim.

    Mais importante até do que a aula é a prática. O professor vai te guiar, vai ouvir você tocar e te instruir a melhorar. Se você estudar muito, a aula vai render bem mais do que se estudar menos. Então, uma hora por semana é suficiente no começo.

    Essa questão do dinheiro é complicada. Tudo é caro hoje em dia, é verdade. E não dá pra querer aulas de graça, porque os professores também têm contas pra pagar. O governo deveria investir mais em escolas públicas de música ou algo assim.

    Você parou com as aulas? Não desista do seu sonho, moça! Nada é impossível quando nos esforçamos. Quem sabe não seremos nós que contribuiremos pra mudar essa realidade no país?

  11. Olá!Concordo plenamente com o que vc afirmou. É triste a realidade em nosso país, no tange em apoio e incentivo a musica classica. Enfrento os mesmos problemas citados para aprender Piano. Bons professores é dificil achar, como que ao mesmo passo achar pessoas interressadas em aprender. os métodos de ensinam frustram qualquer um, e cativar uma pessoa a aprender é dificil, e manter as aulas, custos, e sem falar em adquiriir este instrumento. Estou tentando aprender, mas não vou deseistir. e quero apresentar este instrumento a minha filha no devido tempo e dar a oportunidade de aprender e tocar este maravilhoso instrumento. Quando aos que tem vontade, determinação, paciência não desisitam jamais pois é muito gratificante ver o fruto de seu trabalho e dedicação produzir os mais belos sons ao ouvido humano.!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *