Aprenda a ler partituras – parte 2

link para a primeira parte

E aí? Praticaram a leitura? Espero que sim. A previsão é que eu faça vários posts sobre teoria e saber ler partitura é pré-requisito.

Agora que vocês já sabem ler partituras, vamos ver os outros símbolos que aparecem… Tem muita coisa, então se eu esquecer algo, puxem minha orelha nos comentários. As imagens eu peguei do artigo na Wikipedia. O artigo de simbologia musical lá está muito bom, mas aqui vocês podem ler as minhas explicações divertidas. O que eu achei que precisava de complementação desenhei eu mesma. Desculpem pelos garranchos.

Barras de compasso

Barra simples: Separa um compasso de outro.

Barra dupla: Separa um trecho musical de outro, indicando mudanças como, por exemplo: fórmula de compasso, tonalidade, andamento etc.

Barra tracejada: Subdivide um compasso. Usada, por exemplo, em exercícios como os do Pozzoli.

Barra final: Indica o fim da música.

Fórmula de compasso: É aquilo que vem depois da armadura de clave(ver abaixo) e indica o compasso utilizado na música, podendo variar no meio dela.

O que exatamente é um compasso? Quais são os tipos? Não perca a próxima lição: fórmulas de compasso, unidade de tempo e unidade de compasso. =)

Sinais de alteração de duração

Ponto de aumento: É colocado à direita da nota ou pausa e aumenta metade de seu valor. O efeito é cumulativo, ou seja, dois pontos de aumento vão aumentar o valor em metade e mais um quarto(ou seja, três quartos) e assim por diante. Veja os exemplos:

Ligadura: Neste caso, é uma linha curva que une duas notas de mesma altura, somando suas durações. Quando há uma ligadura, você segura a primeira nota juntando o tempo da segunda a ela. Por isso, não confunda com a ligadura de fraseado, em que você toca separadamente as notas que estão dentro dela, ainda que sejam notas iguais.

Ponto de diminuição: Colocado acima ou abaixo da nota, diminui a metade do seu valor. Indica também o staccato. (ver na parte de Acentuação)

Fermata/suspensão: Colocado acima ou abaixo da nota, aumenta o seu valor por tempo indeterminado, que depende do estilo da música e de quem a está tocando. Quando colocada em uma pausa, é chamada de suspensão.

Alterando tons e semitons

Tom? Semitom? O que é isso? Bom… Um semitom é o menor intervalo entre dois sons utilizado na música ocidental. Um tom é a soma de dois semitons. Vou tentar explicar melhor com o auxílio do pianinho do meu professor:

A distância entre duas teclas brancas adjacentes é de um tom se houver uma tecla preta entre elas, e de um semitom caso contrário. Dessa forma, a distância entre uma tecla branca e a tecla preta adjacente é de um semitom e a distância entre duas teclas pretas adjacentes é de um tom.

Ou seja, a escala de Do Maior, assim como todas as escalas Maiores, é formada por: T T St T T T St… Confira os intervalos:

Do-re: tom

Re-mi: tom

Mi-fa: semitom

Fa-sol: tom

sol-la: tom

la-si: tom

si-do: semitom

Mas como se chamam as teclas pretas? Bom, depende da notação. A primeira tecla preta pode tanto ser um Do# quanto um Re♭. “#”? “♭”? Vamos conhecer os sinais de alteração, chamados de acidentes! Existem os acidentes ocorrentes, que aparecem no meio da música e duram apenas um compasso, e os acidentes fixos da armadura de clave, determinados pela tonalidade, que duram toda a música, exceto se anulados por bequadro. O acidente é colocado à esquerda da nota, numa linha se a nota estiver em uma linha e num espaço se a nota estiver em um espaço.

Meio bemol: Abaixa a altura da nota em um quarto de tom

Bemol: Abaixa a altura da nota em meio tom(um semitom)

Bemol e meio: Abaixa a altura da nota em três quartos de tom

Dobrado bemol: Abaixa a altura da nota em um tom(dois semitons)

Meio sustenido: Eleva a altura da nota em um quarto de tom

Sustenido: Eleva a altura da nota em meio tom(um semitom)

Sustenido e meio: Eleva a altura da nota em três quartos de tom

Dobrado sustenido: Eleva a altura da nota em um tom(dois semitons)

Bequadro: Anula qualquer acidente. Ou seja, se num compasso temos um mi bemol e a seguir um mi bequadro, o segundo mi é natural. Se estamos tocando uma música em Sol Maior, onde o fa é sustenido, e temos um fa bequadro, ele é natural.

Armadura de clave: É aquilo que aparece logo depois da clave. Os acidentes presentes ali devem ser tocados durante toda a música. Não se preocupe com as tonalidades por enquanto, elas serão abordadas nas lições sobre escalas Maiores e menores.

Sinais de articulação

Articulação, dinâmica e acentuação determinam como as notas devem ser tocadas. E isso faz a maior diferença! A matemática não é formada por apenas números, assim como a música não é formada por apenas notas! (profundo) (bom, era uma frase de camiseta da Matemática) Vamos ver as articulações então:

Legato: As notas devem ser tocadas… er… ligadas. Isso quer dizer que você deve tocar a nota seguinte quando mal terminou de tocar a nota anterior. Ele sempre é marcado embaixo das notas.

Glissando: Todas as notas nesse intervalo são tocadas. É aquele movimento true de deslizar a mão pelo teclado. (mas é difícil T_T) Se a primeira nota não é definida, toca-se a partir de onde quiser até a segunda nota. Se a segunda não é definida, toca-se a partir da primeira até onde quiser. Se não há nota nenhuma, você pode tocar o intervalo que preferir.

Marca de fraseado: As notas que estão sob essa linha formam uma frase. Em geral elas são mais ligadas, e há uma minúscula interrupção(só um levantar de dedo, mesmo) entre uma frase e outra. A diferença entre o legato, além dele ser marcado em cima das notas, é que uma frase não é necessariamente tocada em legato. Pode haver notas com stacatto, por exemplo.

Tercina/quiáltera: No caso de serem três notas, chama-se tercina. Acima de três, quiáltera. As notas são tocadas numa duração de tempo menor, que é a maior potência de dois menor do que o número de notas. Ou seja, três são tocadas na duração que seria ocupada por duas, e seis são tocadas na duração que seria ocupada por quatro.

Acorde: As notas são tocadas simultaneamente. São formados por três ou mais notas.

Arpejo/arpeggio: As notas não são tocadas simultaneamente, mas sim uma de cada vez, na sequência. Entretanto, as notas já tocadas ficam “presas”. (você continua tocando enquanto toca as outras) Se há um arpejo em ambas as pautas e ele é ligado de uma pauta à outra, ou seja, a “cobrinha” sobe da pauta inferior até a pauta superior, você deve tocar as notas das duas pautas numa só sequência. Se há um arpejo em ambas as pautas e ele é separado, ou seja, ele termina na primeira pauta e tem um outro arpejo na pauta de cima, sem se ligarem, você deve tocar os dois arpejos como sequências diferentes, começando a tocar ambos ao mesmo tempo.

Sinais de dinâmica

Indicam como a intensidade da música varia, ou seja, se você vai tocar uma nota com toda sua força ou apenas de leve.

pp: pianíssimo, bem suave

p: piano, suave

mp: mezzo-piano, suave mas mais forte que o piano

mf: mezzo-forte, um pouco mais leve que o forte

f: forte, auto-explicativo

ff: fortíssimo

sfz: sforzando, denota um aumento súbito de intensidade

< ou cresc. : crescendo. Utilizado embaixo de um intervalo de notas, significa que a intensidade dessas notas vai aumentando gradativamente

> ou dim. : diminuendo. Utilizado embaixo de um intervalo de notas, significa que a intensidade dessas notas vai diminuindo gradativamente

Também tem outros, por exemplo ppp e sffff(como numa música do Rachmaninov), mas deu pra entender o espírito.

Acentuação

Não entendo de instrumentos de corda, então no que se refere a esses, peguei a descrição direto da wikipedia. =)

Staccato: Do italiano, destacado, significa isso mesmo: que a nota recebe um destaque das demais por ser tocada rapidamente e com uma ligeira pausa após. Você se lembra do ponto de diminuição, né? É isso aí, você toca a nota e já tira o dedo, fazendo com que pareça um “pulinho”. =D

Staccatíssimo: A nota é tocada ainda mais rápida e fica mais curta do que com staccato.

Marcato: É outro tipo de stacatto, em que a nota deve ser tocada com ênfase e ser seguida por uma pausa. Normalmente a nota fica com 3/4 de sua duração.

Pizzicato: Uma nota de um instrumento de corda com arco, em que a corda é pinçada ao invés de tocada com o arco.

Snap pizzicato (pizzicato Bartók): Em um instrumento de corda indica que a corda é muito esticada longe do corpo do instrumento e solta para provocar um estalo.

Harmônica natural: Tocada em um instrumento de corda pela divisão suave da corda em frações da série harmônica. Produz um timbre diferente da execução normal.

Tenuto: Uma nota sustentada. A união de tenuto e staccato produz um portato, que seria um meio termo entre legato e staccato.

Sull’arco: Em um instrumento de corda, a nota é produzida pela subida do arco.

Giù arco: Como o anterior, mas na descida do arco.

Ornamentos

Como o nome sugere, são usados pra dar uma enfeitada na nota, um tchãns a mais.

Trilo ou trinado: Você deve alternar rapidamente entre a nota e seu semitom mais agudo durante a duração da nota.

Mordente: Há o mordente superior e o mordente inferior. A diferença na notação é que o inferior possui um risco no meio. Quanto à execução, deve ser feita uma rápida alternância entre a nota indicada, uma nota superior ou inferior(dependendo de qual mordente) e novamente a nota indicada. Veja abaixo a notação e como deve ser a execução:

Grupetto: Existe o grupetto e o grupetto invertido. O invertido é o que possui um risco no meio ou está invertido mesmo, com a ponta esquerda do “S” virada pra cima. A diferença na execução é a seguinte: no grupetto, toca-se a nota acima da marcada, a nota marcada, a nota abaixo da marcada e então a marcada novamente. No grupetto invertido, toca-se a nota abaixo da marcada, a nota marcada, a nota acima da marcada e então a marcada novamente. Eles também podem estar entre duas notas. Nesse caso, funciona assim: No grupetto, toca-se a primeira nota, uma acima, duas abaixo na sequência, uma acima e a segunda nota. No grupetto invertido, toca-se a primeira nota, uma baixo, duas acima na sequência, uma abaixo e a segunda nota. (@_@) Em ambos os casos, as notas que ficam entre as duas notas principais possuem um tempo menor, ou seja, são tocadas mais rápido. Veja os exemplos de execução:

Apoggiatura: Toca-se a(s) nota(s) do ornamento rapidamente, tomando parte do tempo da nota principal.

Acciaccatura: Idem acima, porém ainda mais rapidamente.

Linhas de oitava

Você quer fazer uma música bem aguda, mas não quer ficar escrevendo trocentas linhas superiores? Facilite a leitura usando uma ottava alta!

Ottava alta: As notas que estiverem dentro da linha são tocadas uma oitava acima.

Ottava bassa: As notas que estiverem dentro da linha são tocadas uma oitava abaixo.

Quindicesima alta: As notas que estiverem dentro da linha são tocadas duas oitavas acima.

Quindicesima bassa: As notas que estiverem dentro da linha são tocadas duas oitavas abaixo.

Marcações de pedal

Essas marcações servem para indicar como deve ser o uso do pedal de sustain, ou tre corde. (olha que chique)

Abaixo uma notação para pisar no pedal e para liberá-lo:

Outra notação. Onde estiver a linha, o pedal deve ser apertado. As linhas verticais indicam quando o pedal deve ser liberado.

Sinais de repetição

E se você quiser repetir um trecho da música? Vai escrever tudo de novo? Não!

Ritornello: O trecho entre as duas barras deve ser repetido. Ou seja, você está tocando normalmente e então chega na barra direita… Volte pro trecho depois da barra esquerda. Se não houver barra esquerda, volte para o começo da música.

Simile: Repita os grupos precedentes de compassos ou tempos.

Chaves de volta: Significa que, ao fazer uma repetição, o final do trecho é diferente. Por exemplo você toca, passa pela casa 1 e chega no ritornello… Aí volta, pula a casa 1 e toca a casa 2.

Da Capo: Indica que o músico deve repetir desde o princípio.

Da Capo al Fine: O músico deve repetir desde o princípio, até encontrar a palavra fine.

Da Capo al Coda: O músico deve repetir desde o princípio, até encontrar a coda. A coda é esse círculo trigonométrico aí embaixo. Ou se preferir, o símbolo do serial killer Zodiac. =P

Dal Segno al Fine/al Coda: Deve se retornar ao segno e seguir até o fine ou coda.

Ufa… Acho que é só! Qualquer coisa, comentem ae. Até a próxima o/

Próxima lição de teoria musical: Compassos

Posts relacionados:


40 Responses to Aprenda a ler partituras – parte 2

  1. @CheAlguns guitarristas devem conhecer quarto de tom executado como bend.Qualquer instrumento não temperado (família dos arcos, guitarras/baixos/violões sem traste, alguns da família do sopros, etc…) faz isso, e diga-se de passagem, até muito menos que 1/4 de tom! Num piano afinado convencionalmente não dá pra fazer isso…

  2. Bem, a questão do bemol e meio, sustenido e meio eu tbm nunca tinha ouvido falar…mas imaginei que por ser um quarto de tom pudesse ocorrer nos instrumentos não-temperados…mas enfim,vcs têm algum material mais explicativo sobre articulações no piano? (principalmente sobre marcato, tenuto e portato que é o que eu tenho mais dúvidas)Ah, parabéns pelo blog!

  3. Oi..eu gostaria que vc respondesse uma duvida…tenho uma partitura que veio junto com o teclado que comprei…e no primeiro compasso ao inves das bolinhas na cabeca das notas tem um x na clave de sol na linha de sol…q significa¡?pode me ajudar obrigada…

  4. @Fernando:Nossa, nem tinha visto seu comentário… Acho que você nem vai ler, mas não tenho esse material. Desculpe. >_<@Anônima:Também não sei se você vai ler…Mas esse x significa nota morta e/ou percussão. Eu não entendo muito bem, mas é pra bateria e instrumentos de corda, se não me engano… Não sei se tem como fazer no piano.

  5. Olá garotas, parabéns pelo blog. Gostaria de saber se vocês já registraram alguma música na Fundação Biblioteca Nacional ou na Escola de Música da UFRJ. Minha duvida não é quanto aos procedimetos, mas sim sobre o uso de repetições de trechos. Estou utilizando software para criá-las e só sei utilizar "Marcas de repetição ou rittornello", não sei direito utilizar repetições alternativas (Chaves de volta), "Da capo" e "Dal segno". Na verdade já entendi um pouco, mas estou com medo de fazer besteira. Vocês sabem se o uso destes recursos é obrigatório ou é opcional. Pois o fato é que as partituras já estão prontas (baixo e guitarra), porém sem usar estes recursos, está dando 10 páginas p/cada música. Se souberem por favor comentem aqui mesmo ou me mandem email (d_adsc@hotmail.com). Obrigado.

  6. Oi, Lulucha! Tudo bem?A diferença é a seguinte: o legato indica que as notas devem ser tocadas bem ligadas.A marca de fraseado indica uma frase musical. É meio complicado de explicar em palavras o que é uma frase… Mas se você dividir a música em frases, a música acaba "fazendo mais sentido". Numa frase, as notas não são necessariamente tocadas de forma ligada. Pode ter staccatos, por exemplo.A diferença na notação é que a marca de fraseado fica em cima das notas, e o legato fica embaixo.Notei agora que a explicação não ficou muito detalhada, vou editar o post.Obrigada por acompanhar o blog! =)

  7. Pingback: Escalas Maiores | Nocturne in the Moonlight

  8. Pingback: Tipos de compasso, unidades de tempo e de compasso | Nocturne in the Moonlight

  9. Pingback: Aprenda a ler partituras – parte 1 | Nocturne in the Moonlight

  10. Não se assustem com sse meio bemol ou meio sustenido, pois pra nos do ocidente nunca vamos usar em nossos intrumentos tonais, pois nossos instrumentos aqui são diatônicos ou seja eh formado por tom e semi tom! simples assim

  11. tenho algumas duvidas(uma vai parecer idiota)…. uma partitura com eh…. dois pentagramas um abaixo do outro significa que é tocada com as duas maos né????(essa é a idiota)… E digamos num pentagrama com clave Sol se nas… hummm… linhas…… de Do,Si,La e Sol vinher com o sinal do bemol,no começo do pentagrama significa que todas as notas postas naquelas linhas vão ter de ser "reduzidas" meio tom até o fim da musica????
    Perdao nao sei nada de partituras, so toco de ouvido…violão… piano é muito dificil pra tocar assim,só consigui "pegar" uma musica(1/4 de musica) parei depois que ela ficou complexa(num tava encaixando o som)kkkkk valeu

    • Oi, Carlos! Desculpe a demora pra responder.

      Depende, existem diversos tipos de partitura. Quando tem dois pentagramas unidos por uma {, é uma partitura pra teclas (piano, cravo) e deve ser tocada com as duas mãos, sim. Ela pode ter pentagramas adicionais para vocal, por exemplo, ou flauta, ou algum outro instrumento, mas aí vem marcado o nome do instrumento na frente do pentagrama.

      Sim, esses acidentes que você falou são os acidentes da armadura de clave. Todas as notas terão o acidente, a menos que estejam com um bequadro. Mas não pode ter do, si, la e sol. A armadura de clave sempre segue uma ordem. Ordem dos sustenidos: fa, do, sol, re, la, mi, si. Ordem dos bemois: si, mi, la, re, sol, do, fa. Você não precisa ter todos, mas não pode colocar fora de ordem.

      Espero que tenha dado pra entender!

      • Valeu mesmo. acho q melhorei um pouco desde o ultimo post. Tambem encontrei um arquivo pdf muito bom…quer dizer mais ou menos. Enfim,ajudou bastante tambem. POREM…. eu ainda n estou com muita pratica de ler,quando vejo muitas linhas supl."basicamente eu olho, toco, olho a outra ,toco e assim vai…"
        Mas, ta dando pra tocar, já consigo tocar o "Tifa's Theme" de final fantasy vii sem errar muito kkkkkk.mais minha meta atual é tocar passion ou "sanctuary" de Utada Hikaru de KH2 .http://www.youtube.com/watch?v=72OY5E5TTUA. NAO PRESCISA DIZER Q Émuita arreia pro meu caminhao kkkkkkkkkkkk

        Valeu patricia ,o sites de baixar as partituras sao muito bons, principalmente o ichigo.

        HA SIM. Na musica em questao existe numa parte as seguintes notas: Na Clave SOL; na 2ª linha sup.inf
        um LA, e um Mi na 1ª linha ''normal'' . Na clave de Fá: só um La na 5ª linha "normal" . tudo ao mesmo tempo
        O problema é… esses LAs sao a mesma tecla Nao???????!!!!!!!!! vc sabe o q é isso???? obs: nao é um erro meu, nem do pdf , é isso mesmo
        Valeu mesmo.

        • Nossa, você voltou! Hahaha, a maioria do pessoal que comenta nunca volta. =)

          Então, até peguei a partitura da música pra conferir. Você leu certo, essas notas são ambas a mesma tecla! Não é erro, isso é uma coisa relativamente comum. Você toca as duas notas mesmo, com jeitinho dá pra colocar dois dedos na mesma nota. Aí a mão direita logo vai pro si, e a esquerda continua segurando o la.

          Só que essa não é uma música que eu recomendaria pra iniciantes, ela não é das mais fáceis. Esse trecho que você falou está com três vozes, e ela tem uns trechos bem rápidos.

          Mas boa sorte aí!

          • Valeu mesmo, essa duvida ja tava chata… e valeu pelo conselho… mas eu sou meio doido mesmo kkkkk., eu sou assim ,do nada um dia pensei "esse theme de ff7 e muito bom…sera q é muito dificil ler partitura…" ai eu comecei a aprender kkkkkk.

            Mas entao to tentando pegar a 'seal of the wind' de FFX-2 tambem, essa ta mais fácil??
            Algum concelho?

            Valeu. E TAMBEM volto a comentar alguma duvida que eu tenha no futuro. Prometo

  12. Você até que explica bem. Eu tava tentando estudar harmonia, mas no material os exemplos eram todos em partituras. Agora com essa ajuda vou entender muita coisa. Valeu.

  13. bemol abaixar o tom da nota pra que? entao pq ja nao colocam uma semibreve ? ou a nota já baixa? esse negocio de um quarto 3 quartos, como vou aprender? u_________________u

    • Desculpa, Alice, não entendi muito bem as suas dúvidas @_@

      Bemol e semibreve atuam sobre conceitos diferentes: um mexe com a altura da nota, e outro com a duração. Altura é se a nota é grave ou aguda. No caso, o bemol abaixa meio tom, então a nota fica mais grave. E a semibreve é a figura com a maior duração.

      Você aprende pela prática! Mas o mais usual mesmo é apenas abaixar meio tom, não um quarto, três quartos…

    • Dude… Semibreve é marca de tempo. Breve, semibreve, fusa, etc. Bemol serve pra baixar o tom (melodia) da nota. Tipo, um bemol normal, de dó vai pra si. Bemol dobrado (dois semi tons ou um tom inteiro) vai para "lá". Sacou? Essa parte de 1/4, 3/4 fica complicado. Tenho contato com piano e violão e acho que não dá pra diminuir 1/4 ou 3/4 de tom.

      • Nesses instrumentos (e nos instrumentos com temperamento igual em geral) não dá pra diminuir 1/4 ou 3/4 de tons, mas não é por isso que você deve considerar que não dá. Pesquise música microtonal. Já existiu até um teclado com mais de 30 teclas em UMA oitava.

  14. nossa, muito bom seu blog, eu dou aulas de francês no you tube e pessoas como nós são poucos que compartilham bons conteúdos!!!!!!bem feito mesmo seu blog !!!!!!!!!

  15. Olá, ótima iniciativa. Estudei música por muito tempo no passado e agora estou retornando e essa página está me ajudando muito. Parabéns!

    Porém tenho uma dúvida que não foi discutida aqui: estou dando uma olhada na partitura do Bolero de Ravel e nela, na parte (um pizzicato) do "Altos" (que ainda não descobri a que instrumento se refere, já que os violinos, celos, e contra baixos estão devidamente assinalados) há uma nota "dupla" — se é que posso chamar assim. É a mesma nota — no caso, um Sol — grudados, uma "bolinha" virada pra cada lado da haste.

    Sabe me dizer o que significa?

    Acredito que esse Sol seja uma nota aberta (corda solta) nesse instrumento, e esse pizzicato deve ser tocado tanto na corda solta quanto na corda anterior (mais grave) utilizando a mão da melodia pra digita-la, simultaneamente. Mas posso estar falando besteira.

    Abraço!

  16. Muito legal, parabéns. Estou tentando aprender por conta própria(desafio pessoal) sei que não está fácil, mas com essas dicas ajudou muito. Estou tentando tocar Minueto de Bach vos ver. Kk já consegui decorar as notas musicais.(já é alguma coisa) vamos ver na prática. Tem q ter perseverança e acima de tudo gostar. Este último pra mim tá moleza. Abraços e Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *