Escalas Maiores

Oi, pessoal!

Depois de um longo tempo, vou continuar os posts de teoria musical. Vou dividir o conteúdo de escalas em dois posts. Futuramente eu vou falar mais sobre os modos gregos também, mas acho que tem algumas coisas mais importantes pra falar primeiro.

Antes de mais nada, talvez primeiro você queira ver os outros tutoriais:
Aprenda a ler partituras – Parte 1
Aprenda a ler partituras – Parte 2
Tipos de compasso, unidades de tempo e de compasso

Este post tem uma introdução sobre escalas e explicação sobre as Escalas Maiores. Eu prefiro fazer os desenhos à mão, então me desculpem por não conseguir padronizar o espaço entre as semibreves. Tá esteticamente feio, mas espero que dê pra entender.

Sem mais demora, vamos lá!

Escalas

Uma escala é uma sucessão ascendente e descendente de notas separadas por tons e semitons. As escalas podem ser pentatônicas (formadas por cinco notas), hexafônicas (formadas por seis notas), diatônicas ou heptatônicas (formadas por sete notas) ou cromáticas (as notas se sucedem apenas por semitons). A escala diatônica é a mais utilizada na música ocidental, e é ela que possui os modos maior e menor.

Escalas Maiores

As notas da escala são chamadas de graus e são representadas por números em algarismos romanos. Cada grau possui um nome.

I – Tônica
II – Supertônica
III – Mediante
IV – Subdominante
V – Dominante
VI – Superdominante
VII – Sensível
VIII – Tônica (repetição do grau I)

Os graus podem ser conjuntos ou disjuntos. Conjuntos quando são vizinhos e disjuntos quando estão separados por um ou mais graus.

graus conjuntos
Graus conjuntos

graus disjuntos
Graus disjuntos

O modo de uma escala é a forma como os tons e semitons estão distribuídos entre os graus da escala. A escala diatônica possui sete modos, conhecidos como modos gregos: jônio, dórico, frígio, lítio, mixolídio, eólio e lócrio. O modo maior é o jônio, e o menor é o eólio.

A disposição dos tons e semitons no modo maior é: tom, tom, semitom, tom, tom, tom, semitom. A escala modelo do modo maior é a escala de Do Maior. Ela é a escala mais simples porque todas as suas notas são naturais.

Existem 15 escalas maiores: a escala modelo de Do Maior, 7 escalas maiores com sustenidos e 7 escalas maiores com bemóis.

Vou ensinar aqui dois jeitos de construir as escalas: o jeito mais didático e o jeito mais prático.

Escalas maiores com sustenido

Partindo da escala modelo de Do Maior, divida-a em dois grupos de quatro notas (tetracordes). Transforme o segundo tetracorde em primeiro de uma nova escala. Complete a escala com o outro tetracorde e adicione os acidentes necessários para que escala possua a mesma distruibuição de tons e semitons. Basta realizar o mesmo processo sucessivamente para obter todas as escalas.

Exemplos

Construindo a escala de Sol Maior a partir da escala de Do Maior:



Contruindo a escala de Re Maior a partir da escala de Sol Maior:



Jeito prático:
Decore a ordem dos sustenidos. Como você pôde ver, dá pra construir as próximas escalas com base na escala anterior. Assim, um sustenido que foi colocado em uma escala se repetirá em todas as próximas. Por isso, os sustenidos na armadura de clave sempre seguem a ordem em que foram colocados: fa, do, sol, re, la, mi, si.

Para construir a próxima escala com base em uma que você já sabe, é só começar pelo quinto grau (que seria a primeira nota do segundo tetracorde) e adicionar mais um sustenido aos que já estavam na armadura.

Quer saber facilmente quais sustenidos tem uma escala, ou qual é a escala que tem tais sustenidos? Tem um jeito simples! É só contar uma nota pra cima do último sustenido da clave. Por exemplo, a escala que tem só o fa# é a Sol Maior. A que tem fa#, do#, sol#, re# é a Mi Maior.

No caso de ver uma escala, é só contar uma nota pra baixo e esta será a última com sustenido na clave. Por exemplo, Re Maior tem fa# e do#. Fa# Maior tem fa#, do#, sol#, re#, la#, mi#. (note que o fa está sustenido, por isso ela leva o nome de Fa# Maior!)

Por fim, aqui estão as escalas maiores com sustenido, acompanhadas pelo seu nome escrito com cifra. (A = la, B = si, C = do, D = re, E = mi, F = fa, G = sol)







Escalas maiores com bemóis

Partindo da escala modelo de Do Maior, divida-a em dois tetracordes novamente. Transforme o primeiro tetracorde em segundo de uma nova escala. Complete a escala com o outro tetracorde e adicione os acidentes necessários para que esta escala possua a mesma distribuição de tons e semitons. Basta realizar o mesmo processo sucessivamente para obter todas as escalas.

Exemplos

Construindo a escala de Fa Maior a partir da escala de Do Maior:



Construindo a escala de Si♭ Maior a partir da escala de Fa Maior:



Jeito prático:
Decore a ordem dos bemóis: si-mi-la-re-sol-do-fa. (essa é mais fácil, eu decorei como “similares ao s
ol do fa; não faz sentido mas ajuda) Note que essa ordem é exatamente a inversa da ordem dos sustenidos.

Para construir a próxima escala com base em uma que você já sabe, é só começar pelo quarto grau e adicionar mais um bemol aos que já estavam na armadura.

Quer saber facilmente quais bemóis tem uma escala, ou qual é a escala que tem tais bemóis? A escala que tem apenas o si bemol é a Fa Maior. Depois dela, basta apenas ver o penúltimo bemol na armadura para saber qual a escala. Por exemplo, a escala que tem si e mi bemóis é a escala de Si♭Maior (o si está bemol; não confundir com a escala de Si Maior!) e a que tem si, mi, la e re bemóis é a escala de La♭ Maior.

É só fazer o processo inverso para descobrir quais bemóis tem uma escala. A escala de Re♭ Maior vai ter em sua armadura um bemol além do re: si, mi, la, re, sol. A escala de Do♭Maior vai ter em sua armadura um bemol além do do: si, mi, la, re, sol, do, fa.

Aqui estão as escalas maiores com bemóis:







Obs.: Se você continuar com o processo de construção de escalas, poderá encontrar escalas com dobrados sustenidos e dobrados bemóis (por exemplo, Sol x Maior), mas essas escalas não são usuais.

Exercício:

Sugiro que você construa sozinho todas as escalas, e depois pratique um pouco identificar qual escala é a partir da clave. Mesmo lendo e entendendo, nós só aprendemos de verdade quando fazemos nós mesmos. =)

Espero que tenha sido fácil de entender. Qualquer dúvida é só perguntar nos comentários. Posso demorar uns dias pra responder, mas sempre respondo todos os comentários.

Até a próxima! o/

Posts relacionados:


15 Responses to Escalas Maiores

  1. @Paul:Obrigada pelos elogios! Vou continuar me esforçando para estar à altura deles.@Le:Revisar é sempre bom! =D@César:Com certeza! Acho que é bom aprender escalas antes de intervalos e depois formação de acordes e só então campo harmônico.Valeu por comentar! =D

  2. Oi, Anônimo!Seja um pouco mais específico e eu tento te ajudar! O que você não entende? Eu acho o jeito mais didático dos tetracordes um pouco enrolado, prefiro o jeito prático. Você tentou entender esse jeito?

  3. MUIITOO OBRIGADO MESMO AÊ!!!Eu não entendia esse conteúdo faz algum tempo. Eu sou meio autodidata, e nesse sentido, eu achava apenas pequanas partes do assunto que não se completavam. Talvez você não tenha posto tudo tudo, tudinho, mais é um conteúdo muito completo em si.(sério!)O que eu mais gostei foi a parte do "jeito prático" =]. Esse me ajudou DEMAISS.Valew mesmo.André.

  4. André,Obrigada pelo comentário! É sempre bom receber um feedback. =)Eu pretendo continuar postando essa parte de teoria musical (só o que dificulta é falta de tempo por causa de faculdade e tal), então talvez o conteúdo se complete depois. Mas se você tiver alguma sugestão do que postar, é só falar!

  5. Pingback: Como reconhecer a tonalidade de uma música | Nocturne in the Moonlight

  6. Pingback: Escalas Menores | Nocturne in the Moonlight

  7. Pingback: Aprenda a ler partituras – parte 2 | Nocturne in the Moonlight

  8. Oi amigo muito bom, eu estava em duvidas na construção de escalas eu toco instrumento de metal e to estudando campo harmonico e comecei pelas escalas tirou todas as minhas duvidas abraço sucesso sempre..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *